Bolachas de Aveia e Cenoura... e o legado para a vida

{scroll down for english version}

Cada vez mais dou por mim perdida em memórias da minha infância. Flashes de momentos que recordo com carinho e ternura com a minha mãe ou o meu pai.
Por vezes são apenas sensações de determinado momento, outras são um pouco mais além. São sempre memórias felizes, por incrível que possa parecer. Não recordo as palmadas {e houve bastantes… ou melhor… q.b.}, nem tão pouco os raspanetes. Recordo os sorrisos, recordo o carinho, recordo a sensação de ser uma criança muito amada.



Esse é talvez o legado mais importante que quero deixar ao meu filho. Talvez porque acredite que é esse sentimento de nos sentirmos tão queridos e amados, mesmo quando existem as palmadas,  que mais contribua positivamente para tudo o resto na nossa vida.
Acredito que é ele que molda personalidade de uma pessoa, que a faça sentir realizada e concretizada, que a faça saber erguer-se mesmo quando existem quedas pelo caminho, que acima de tudo a faça sentir feliz. E uma pessoa feliz e otimista tem tudo para ser bem sucedida na vida.




E é por isso que, todo e qualquer momento de risos, de partilha de cócegas ou de roubo de beijos e abracinhos é tão apreciado e aproveitado por mim.
No meio da mudança de uma fralda, não se dispensam as trinquinhas nas pernocas tão rechonchudas e apetecíveis. Ao pequeno almoço, enquanto ele bebe o leite do biberão é quase obrigatório um trrrimmm naquele nariz tão perfeitinho. E até mesmo quando a senhora dona birra chega, impreterível e obstinada, um cucu de um recanto escondido pode revelar-se um verdadeiro salvador.



Mesmo quando, pela manhã, os minutos avançam no relógio que não dá tréguas e impõe-se a necessidade de sair de casa o mais rápido possível há sempre tempo, nem que seja um minutinho apenas, para aceder ao pedido que me faz, sentado no tapete da casa de banho, com o seu livrinho numa mão enquanto a outra bate no chão “tenta mãe!!
Afinal o trabalho pode esperar… estes tempos e momentos é que não esperam. E ele gosta tanto da tória


E de todas as vezes que olho para ele e oiço as suas gargalhadas, penso que é precisamente isso que eu quero que ele guarde… a sensação de felicidade, o sentimento de ser amado… para sempre…

***

Estas fantásticas bolachas são receita original do fantástico blog  Nem Acredito que é Saudável, com sugestões muito saudáveis da minha querida colega de ballet, a Sara. Recomendo que passem por lá que não se irão arrepender...


Ingredientes

  • 1 chávena de cenoura ralada
  • 1 chávena de farinha integral
  • 1 chávena de flocos de aveia finos
  • 1/2 chávena de coco ralado
  • 1/2 chávena de açúcar amarelo
  • 3 c. de sopa de xarope de Acer
  • 1/4 de chávena de óleo de sésamo
  • 1 c. de chá de canela
  • 1 c. de chá de aroma de baunilha
  • 1 c. de chá de bicarbonato de sódio
  • 1/2 c. de chá de sal
 

Preparação

1. Pré-aquecer o forno a 180ºC

2. Numa taça misturar bem os ingredientes secos.

3. Juntar a cenoura ralada, a xarope, o óleo e a baunilha e envolver bem

4. Formar bolinhas, achatar ligeiramente e colocar num tabuleiro. Levar ao forno cerca de 15 minutos.


Bom apetite, Su



Giveaway do dia de São Valentim a decorrer Aqui




Oats and carrot coockies... and the legacy for life 

More and more I find myself lost in memories of my childhood. Flashes of moments that I remember with affection and tenderness with my mother or my father.
Sometimes it’s just feelings at a certain moment, others are a little beyond that. It’s always happy memories, incredible as it may seem. I do not remember the spanking {and there was plenty ... or rather ... enough}, nor the lectures. I remember the smiles, I remember the love, I remember the feeling of being a beloved child.

This is perhaps the most important legacy I want my son to grow with. Maybe because I think that it is the sense of feeling so wanted and loved, even when there are spankings, that contributes positively to almost everything else in our lives.
I believe it is what shapes a person's personality, that makes you feel accomplished and achieved, that conveys you to rise even when there are falls along  the way, that above all makes you feel happy. And a happy and optimist  person has everything to be successful in life.

And that's why, every moment of laughter, tickling or kissing is so appreciated and enjoyed by me.
In the middle of changing a diaper, we can’t give out the little bites at those chubby and yammi legs. At breakfast, while he drinks his milk it’s almost mandatory a  trrrimmm at that perfect little nose. And even when the lady called tantrum arrives, unavoidable and stubborn, a cucu from a  hidden nook can prove to be a true savior.

Even when, in the morning, the minutes tic-tac on the clock that doesn’t give us truce and imposes the need to leave home as soon as possible there is always time, even if only for a minute, to give in to the request he asks of me, sitting on Carpet in the bathroom, with his little book in one hand while the other hits the ground "sit mommy!"
After all the work can wait ... but these times and moments do not standby. And he loves his tory so much…

And every time I look at him and hear his laughter, I think that is precisely what I want him to save ... the feeling of happiness, the feeling of being loved ... forever ...

 ********

The original recipe for these fantastic cookies  is from the great  blog Nem Acredito que é Saudável, very healthy with suggestions from my dear fellow ballet, Sara. I recommend that you visit her, you will not regret it ...

Ingredients:

  • 1 cup grated carrot  
  • 1 cup flour 
  • 1 cup of rolld oats
  • 1/2 cup shredded coconut  
  • 1/2 cup brown sugar  
  • 3 tablespoons mapple syrup  
  • 1/4 cup of sesame oil 
  • 1 teaspoon of cinnamon 
  • 1 teaspoon of vanilla flavoring 
  • 1 teaspoon of baking soda 
  • 1/2 teaspoon of salt
 

Method

1.Preheat oven to 180 º C

2. In a bowl mix the dry ingredients well.

3. Add the grated carrot, the syrup, oil and vanilla and mix well
 

4. Form small balls, flatten slightly and place on a tray. Bake about 15 minutes.


 Bom apetite, Su

15 comentários:

  1. Fiquei muito curiosa para experimentar, parecem deliciosas :D E não consegui evitar sorrir (e muito!) com a tua descrição :D Isto talvez soe estranho, mas eu sinto que nasci para ser mãe. Numa sociedade que cada vez mais quer é trabalhar mais e mais e mais eu sei que só vou ser feliz se tiver filhos, de preferência muitos, e que eles sim vão ser o centro da minha vida. Há quem diga que isso é ser pouco ambiciosa, mas eu não concordo: acho que é simplesmente eu saber muito bem aquilo que me vai trazer felicidade, e lutar por isso. Não é isso que é a ambição? ;)

    Beijinhos e boa semana! :D

    ResponderEliminar
  2. Que lindas! Fotos, bolachas e palavras ;)
    Beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Bem, essa caixa e a fotógrafa levaram a outro patamar estas bolachinhas tão humildes!

    Beijinhos, espero que tenhas gostado

    Sara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sarinha, adorei eu e o pequenito... mas só lhe dei uma por serem integrais... mas ele pediu mais.
      Ah... e já lá tenho o millet ;)

      Beijinhos grandes

      Eliminar
  4. um post muito comovente e cheio de carinho <3
    as bolachas devem ser deliciosas!

    ResponderEliminar
  5. Uma opção tentadoramente saudável para as bolachas. E tenho feito tão poucas (melhor dizendo, nenhumas) que até é um crime... Mas estas ficaram tão bonitas e com uma cor tão solarenga que devemos ficar mais felizes enquanto as comemos!

    É verdade, não me esqueci do teu kefir, estou a crescer a minha "bicheza" para to poder mandar :)

    ResponderEliminar
  6. Apenas te digo:como te compreendo e partilho da mesma sensação!!!!São o melhor do nosso mundo e se podermos dar lhes o nosso melhor acredito que serão mais felizes!!!
    Estas bolachinhas são fantásticas e adoro o facto de ter cenoura...
    Bjoka
    Rita

    ResponderEliminar
  7. Os momentos com o meu anjinho são assim mesmo...como descreves...e são eternos!
    Essas bolachinhas ficam lindas nesses tons, e nessa caixa então...ninguém diz que não são da Ladurée!
    Tenho para aqui uma caixinha dessas, num formato diferente e já tinha pensado usá-la num post... Fizeste-me relembrar!

    Bjinhoos

    ResponderEliminar
  8. Que lindo texto, não poderia concordar mais.

    As bolachinhas da Sara ainda não experimentei... Mas acredito no bom gosto da Sara porque já experimentei algumas das suas receitas. :)

    Boa partilha com aveia, beijinho!

    ResponderEliminar
  9. Fabulosas as tuas bolachas!!!
    Está lindo o teu blog, mesmo um mimo :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Que boa partilha, de histórias e de bolachas.
    Que a infância seja sempre assim, recordada com carinho e felicidade.
    E roubo uma dessas fabulosas e apetecíveis cookies :)
    beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. As bolachas devem ser deliciosas. Falando agora das recordações de infância que terá o teu filho, apesar das palmadas que leve ou repreensões, serão, de certeza, de amor e atenção. Recordo-me muitas vezes da minha professora da quarta classe que, apesar de uma vez me ter posto a mão direita inchada com uma palmada, se preocupava em transmitir o que ela sabia dedicando-nos muito do tempo que ela tinha livre. As crianças sabem decifrar a atitude dos adultos e sabem quando são amadas ou quando são desprezadas e não são as repreensões que pesam negativamente na análise. Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Ai que bom aspecto e que caixinha mais linda, adorei tudo como sempre! beijos grandes

    ResponderEliminar
  13. Não conhecia este blogue, acabei de chegar e fiquei a delirar com estas bolachas! :-) Até breve, porque voltarei mais vezes!

    ResponderEliminar

09 10